terça-feira, 1 de março de 2016

Dolce & Gabbana divulga criações de estampas com famílias gays

Camisolas e bolsas têm bordado de famílias formada por homossexuais.
'Eu só quero dizer que família é amor e que amor não é sexualidade', dizem.

Os estilistas italianos Dolce & Gabanna surpreenderam no dia 29 de Janeiro com a publicação de fotos de suas criações - camisolas e bolsas - que contêm bordados que representam famílias formada por homossexuais com os seus filhos, num momento no qual a Itália debate sobre as uniões e adopções para casais gays.


Além disso, após a publicação das fotos no perfil do Instagram de Stefano Dolce sob a hashtag #dgfamily, lembrou Itália da polémica que suscitaram as declarações do estilista, declaradamente homossexual, à revista "Panorama".
Nessas declarações, Dolce defendia o que chamava de "família tradicional" e disse ser conta a adopção de filhos por parte dos homossexuais.

"A vida tem seu curso natural, há coisas que não se devem mudar. E uma delas é a família", declarou na entrevista.
Estas declarações produziram um terremoto entre os coletivos LGBT (gays, bissexuais e transexuais) e inclusive o cantor britânico Elton John, pai de dois filhos nascidos com fecundação in vitro, pediu boicote à marca.
Agora os dois estilistas, que também foram um casal no passado, mostram seus desenhos antes da manifestação que é esperada de associações católicas contra o projecto de lei do governo italiano que prevê legalizar as uniões homossexuais e o chamado "stepchild adoption", ou seja a possibilidade de adoptar o filho ou a filha do cônjuge.
No que foi considerado uma "piscada" de apoio às famílias homossexuais com filhos, os estilistas criaram desenhos bordados em camisolas e bolsas e que reproduzem dois homens, um moreno e outro loiro, com dois bebés no braço e outra criança nas costas de um deles.
Noutra camisola, é possível ver duas mulheres, uma morena e loira, em um gesto carinhoso e carregam em seus braços dois bebés.
Gabbana também respondeu hoje na rede social, já que muitos se lembraram da polémica entrevista, que "a família é tradicional por qualquer pessoa que esteja formada. Sinto muito que muita gente interprete mal esta mensagem. Eu só quero dizer que família é amor e que amor não é sexualidade".
Para sábado foi convocada uma concentração no Circo Massimo de Roma sob o nome de "Dia da Família" para protestar contra este projecto sobre as uniões homossexuais e que chegará na próxima terça-feira ao Senado para discutir sua aprovação.

Enviar um comentário